Na hora do embarque

Toda viagem internacional pode ser a realização de um sonho. Um intercâmbio então, é incomparável. Mas sair do seu país exige ser aceito no seu destino final. Dependendo do país e do tempo de intercâmbio o visto precisará ser concedido antes, o que pode aliviar a pressão. Mas sempre vivemos uma incógnita do que vamos ver ou fazer durante a viagem.

Pode ficar tranquilo, que não é nenhum bicho de sete cabeças. O mais importante é estar com tudo em mãos: passaporte, documentos da escola (se for o caso), comprovação do valor disponível, da acomodação, e se for de férias, sempre bom levar documentos que comprovem o seu trabalho e este período. O recibo da escola é muito importante também.

Deixar tudo separado numa pastinha na bagagem de mão facilita em muito a sua vida. Sei que a tecnologia ajuda a não precisar de papel, mas neste caso, aconselho mesmo a ter tudo impresso. Não se sabe se terá bateria ou acesso a internet ou mesmo ao telefone ao chegar ao destino final.

Uma dica: leve sempre peças de roupa na sua bagagem de mão. Sua roupa pode sujar no caminho, derramar algum líquido, ou a bagagem pode atrasar, ou em caso de conexão perdida não precisará abrir a mala para pegar alguma peça de roupa. Já pensou pagar aquela grana para passar aquele plástico todo para proteger a mala e no meio da viagem ter que abrir a mala porque não tem nada de reserva na bagagem de mão?!

Embarcando

Sempre é bom perguntar no momento do check-in aonde vai retirar as malas. A maioria dos voos internacionais partem de São Paulo ou Rio de Janeiro, ou seja, se você não mora em uma dessas cidades, passará por, pelo menos, uma conexão aqui no Brasil. Quando se fala em Austrália ou Nova Zelândia então, com certeza passará por conexões.

Dentro do avião, pouco tempo antes de chegar ao destino, os comissários de bordo entregarão um cartão de alfândega. Nele você precisará preencher com seus dados, endereço de onde vai ficar, quanto de valor está levando, e marcar sim ou não para várias perguntas. Muitos países têm restrições e se achar que algo tem a ver com o que está no cartão, sempre melhor marcar o sim e não ter problema, do que não e eles resolverem abrir a mala e encontrar algo que não deveria estar ali.

Saindo do avião, se não sabe direito, segue o fluxo e pergunte. Sempre alguém vai ter o prazer em ajudar. Em alguns lugares o “free shop” é antes da imigração, em outros depois. Se tiver alguém aguardando do lado de fora, deixe para comprar na cidade. Ou então, não gaste muito tempo ali. Na verdade, o melhor sempre é comprar na volta. Mas isto vai de cada um. Chegar no país já torrando dinheiro não é tanta vantagem assim.

Pegue a fila da imigração e aguarde a sua vez. Tem oficiais com caras mais amigáveis que outros, mas no geral eles costumam ser bem-educados. Caso ele pergunte algo que não compreenda, deixe isto claro e se for o caso apresente os papéis que carrega.

Depois disso é pegar suas malas, entregar o papel da alfândega e passar pelo portão de desembarque. Claro que pode ser escolhido para abrir as malas. Mas como quem não deve não teme, espere com paciência até o procedimento ser feito. E então, é começar a curtir o seu intercâmbio. Viaje de mente aberta e procure desbravar o novo que se abre a sua frente.